Marketing de Guerrilha – Dicas

O marketing de guerrilha, termo que surgiu na década de 70, tem este este nome por se utilizar de técnicas de guerrilha, ou melhor dizendo, ações diferenciadas que tem objetivos específicos. Estas ações costumam ser utilizadas por empresas de menor porte, com orçamentos limitados, e que são inexpressivas em suas áreas de atuação, mas fazem frente a grandes empresas do setor. Utilizam táticas que fazem uso do campo de atuação, do público-alvo e do efeito surpresa como armas para se manter vivas e destacar em meio a um mercado cada vez mais disputado.

marketing-de-guerrilha

A Exame.com publicou 9 dicas de marketing de guerrilha através do especialista em marketing Eduardo Andrade que devem ser levadas em consideração se você planeja uma ação dessas.

1.Defina objetivos claros: o briefing da ação deve ser muito bem preparado para não gerar frustrações no contratante da campanha. Defina se o objetivo á aumentar o tráfego no website da empresa, gerar comentários nas redes sociais, fazer a marca ser lembrada ou divulgar um vídeo ou novo produto.

2.Faça o público interagir com a campanha: um dos pontos fortes do marketing de guerrilha é a possibilidade do target interagir com a marca. Por isso, promova conexões da ação com redes sociais, QR codes, interferência do público em vídeos e peças publicitárias, relacionamento entre os participantes da campanha, etc. A proposta deixa de ser estática e unilateral e passa a ser dinâmica e bi ou multilateral.

3.Vire notícia: informação é diferente de notícia. Esse princípio da comunicação retrata muito a intenção das ações do marketing de guerrilha. Anúncios convencionais trazem uma série de dados e informações, mas raríssimas vezes se tornam notícia. A intenção aqui é que a própria mídia noticie sua proposta como algo fora do usual.

4.Não deixe de utilizar mídias convencionais: as mídias convencionais sempre terão seu lugar, e já provaram por décadas de atividade que podem gerar bons resultados se bem usadas. É um equívoco acreditar que ações de guerrilha irão substituir totalmente campanhas tradicionais. O ideal é combinar as campanhas de marketing propondo uma comunicação integrada.

5. Atenção à verba: os custos envolvidos geralmente são baixos, o que evidencia um cuidado ainda maior na assertividade da proposta. O próprio nome dessa atividade de marketing remete às guerrilhas urbanas nas quais um oponente mais fraco (com recursos escassos) tenta vencer o adversário mais forte (geralmente com mais verba). As campanhas geralmente têm um custo mais baixo que divulgações nas mídias tradicionais.

6. Use equipes multidepartamentais ou multidisciplinares: no desenvolvimento da campanha, as experiências e expectativas diversificadas de um conjunto de profissionais tendem a promover o inusitado e impactante. Saiba trabalhar de forma holística e criativa com a equipe de desenvolvimento.

7. Mensure os resultados: já dizia Peter Drucker: quem não mede não administra. Assim, esteja atento aos instrumentos de mensuração adequados ao objetivo da campanha. Os indicadores são diversos como número de likes, comentários, intervenções na peça publicitária, quantas pessoas foram expostas diretamente pela ação de marketing, número de visualizações, o que foi falado na web (perspectiva qualitativa), o quanto se gerou de mídia espontânea, etc.

8. Evidencie o boca a boca: a velha máxima de “falem de mim” deve ser explorada ao extremo no marketing de guerrilha. A intenção é intrigar as pessoas para que elas comentem sobre o acontecimento promovendo a marca. Mas o anunciante deve estar preparado para receber comentários positivos e negativos e, quando for necessário e possível, fazer intervenções de correção.

9. Faca seu anúncio não parecer um anúncio: pode parecer contraditório, mas quanto mais disfarçado for o anúncio, mais as pessoas terão curiosidade e deixarão de ter resistência a ele. O foco é promover a experiência capaz de gerar atenção e envolver pessoas.

Link da reportagem original: Exame.com

Anúncios

Remake – Carrie, a estranha

Dia 18 de outubro estreia nos EUA o remake do filme Carrie, a estranha e como ação promocional para o filme foi feito um video que reproduz uma pegadinha reproduzida no que seria um café que foi preparado para encenar o surto de uma garota com poderes sobrenaturais e que teve grande repercussão nas redes sociais.

Vale a pena assistir o video que segue:

 

Para quem quiser conferir segue também o trailer oficial do filme:

 

 

Blog Mkt - Pepsi

Iniciando sua história em 1893 na Carolina do Norte como uma bebida feita para aliviar os mal estar causado pelo desequilíbrio do ácido péptico presente no estômago a Pepsi é uma referência 

Blog Mkt - Coca Vs Pepsi

mundial como bebida. No Brasil foi introduzido por uma loja do Rio Grande do Sul que o importava e foi lançado oficialmente em 1953, quando já contava com fabricação no país. Concorrente direta da Coca-Cola, que começou a ser fabricada no Brasil no início da década de 40, a Pepsi deixou espaço em aberto por muito tempo até que a Coca-Cola e seu sabor se tornassem referencia no paladar dos brasileiros, o que torna a disputa pela liderança de mercado algo muito difícil para a empresa. Fato que é comprovado pelo comentário da diretora de marketing da PepsiCo, Nora Mirazon – “[A Pepsi] é uma marca que não agrada todo mundo e nem está tentando”.

Atualmente a Pepsi busca investir na classe C que se tornou a nova classe média no Brasil por conseguir um poder aquisitivo maior e se mostra como um mercado promissor para investimento da marca – a reportagem sobre o tema pode ser conferida no site de economia do iG. Investindo em produtos como a Pepsi de 3,3 litros que pode ser compartilhada em grandes famílias ou grupos de amigos e a Pepsi com de 237 ml com o preço de R$ 0,99 que vem estampado na embalagem para alcançar o consumidor que não quer pagar mais por uma latinha de refrigerante.

Blog Mkt - Pepsi

De acordo com a executiva da empresa o Brasil, ao lado do México, é um dos mercados mais relevantes para a Pepsi. No Japão a Pepsi criou o personagem Pepsiman na década de 90, um super-herói que matava a sede com Pepsi e foi um sucesso pela identificação com o público. Talvez no Brasil esteja faltando encontrar esta identificação da marca com nossa cultura e costumes.

A INFLUÊNCIA DA CLOUD COMPUTING

Conforme matéria publicada aqui no blog mkt em abril a cloud computing, ou computação em nuvem, já não é mais uma tendência, mas uma realidade. Onde a preocupação com o sistema operacional, sua capacidade e atualização de softwares fica em segundo plano, pois o acesso as funcionalidades e arquivos é feito remotamente. Este meio de acesso e processamento de informações esta mudando aos poucos a forma como interagimos com o meio eletrônico. Seja com os smartphones, tablets e todo aparato tecnológico móvel ou em meios não convencionais que vem surgindo, partimos para um acesso remoto e globalizado de informações. Podendo acessar nossos perfis e arquivos em diferentes dispositivos e interagir com eles com diferentes pessoas, redes e serviços.

A exigência com a capacidade dos computadores vai diminuindo e com isso os preços. Ganha espaço também sistemas operacionais como Linux que pode ser utilizado com menos recursos, assim como sistemas operacionais alternativos que vão sendo adaptados a dispositivos que não exigem ou mesmo não foram projetados para trabalhar com grande capacidade de processamento como é o caso do Android ou iOS da Apple.

Toda essa mudança é acompanhada da tendência mundial da popularização do acesso à internet. Com preços e tecnologia de acesso e velocidade cada vez mais acessíveis e locais de acesso público gratuito.

A rede de varejo Amazon.com foi uma das primeiras a aproveitar as oportunidades que a cloud computing oferece. Partindo da sua necessidade de investimento em hardware para dar conta da demanda crescente que se apresenta em certos momentos, em especial o natal. Em 2002 a rede de varejo acabou aproveitando o tempo ocioso do sistema para começar a alugá-lo, anos depois tendo lançado os serviços baseados em computação em nuvem e armazenagem remota de arquivos Simples Storage Solution (S3) e o Elastic Compute Cloud (EC2)

No Brasil a computação em nuvem tem uma distância muito grande a percorrer até se tornar popular. No entanto, apesar de começar lentamente o uso desta tecnologia, o país atualmente está tendo um crescimento rápido. Um dos grandes entraves a ser enfrentado pelo país para o pleno desenvolvimento desta tecnologia é o acesso a internet de banda larga, que ainda é muito limitado. Sem banda larga e conexões de internet de qualidade a computação em nuvem não pode existir. Assim, é preciso que os investimentos comecem pela infra-estrutura de acesso a internet no país.

NETFLIX SE ADAPTANDO AO MERCADO BRASILEIRO

O serviço Netflix, onde você paga uma mensalidade e pode acessar os filmes, programas diversos e seriados através de streaming pela internet, trabalha para se adaptar e ganhar terreno no mercado brasileiro se adaptando ao público e cultura local. Além de dobrar o número de filmes e seriados do catálogo eles ampliaram as formas de pagamento.

A nova aposta da empresa é deixar o Brasil como um dos primeiros locais a ter perfil individual de usuário numa mesma conta. Isso possibilita que, por exemplo, diferentes pessoas de uma mesma família tenham seus próprios perfis com suas preferencias. Assim, ao acessar o serviço através do seu perfil ele lhe mostrará opções de programação voltadas a sua preferencia.

Outra novidade que será implantada no país é a sessão de “novos lançamentos” que informará ao usuário o que há de novo na programação do Netflix de acordo com o que foi inserido nos últimos dias.

 

Leia mais no site G1

VEÍCULOS ELÉTRICOS NO BRASIL

Hyundai, Mitsubishi, Nissan e Toyota, marcas de veículos japoneses quem tem algo em comum – o interesse em vender veículos elétricos no Brasil. Na última semana representantes destas companhias se encontrarão com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel para tratar do desenvolvimento de carros híbridos no país. A falta de regulamentação que trate do assunto é um dos maiores entraves para iniciar uma produção de carros deste tipo no Brasil. Além disso, seria preciso adequar os postos ao abastecimento de veículos como estes, pois atualmente somente companhias elétricas estão autorizadas a comercializar energia deste tipo.

A montadora Nissan do Brasil fechou parceria com a Prefeitura de São Paulo e com a concessionária AES Eletropaulo para testar dois modelos Nissan Leaf na Capital e a montadora Mitsubishi conta com dois veículos elétricos em exposição para os clientes do Brasil. As montadoras anseiam pelo incentivo do governo para que possam prosseguir com o desenvolvimento e produção destes veículos no país, visto que esta é uma tendência mundial a qual o Brasil não tem como não acompanhar. A expectativa é que os veículos elétricos sejam uma realidade ao consumidor brasileiro em 5 anos.

 

 

 

 

 

 

 

Leia mais no diário da grande ABC

CRIADORA DO GORILLA GLASS APRESENTA O WILLOW GLASS

Foi apresentado pela empresa norte americana Corning, em uma feira comercial de Boston, um novo tipo de vidro ultrafino e flexível com a espessura de uma folha de papel. Nomeado de Willow Glass este vidro pode ser adaptado ao redor de qualquer objeto devido seu alto grau de flexibilidade. A partir desta afirmação pode-se imaginar várias utilizações para este produto.

A Corning é a empresa que criou o Gorilla Glass, vidro resistente utilizado nos novos telefones celulares e tablets. Com o tempo é possível que o Willow Glass tome o lugar do Gorilla Glass que deixaria de ser produzido. Em breve deveremos ver no mercado produtos já utilizando esta tecnologia.

 

A matéria original é da oficina da net